segunda-feira, 31 de março de 2008


Since the bank runs of the 1930s, federal protection of retail depositor institutions has been a hallmark of American capitalism. The Federal Reserve, in a sweeping extension, has now extended the privilege to gilt-edged investment firms.

Its flurry of interventions has prompted a double dose of unease. The central bank offered a lifeline to Wall Street investors who, seemingly, deserved a worse fate. And it arguably interrupted the cycle of boom, bust and renewal that leads to a durable recovery.

What is the true value of Bear Stearns? If the government-orchestrated takeover of Bear goes through as planned, we will never know. As with Bear, so with the billions of dollars of mortgage securities for which the central bank has suddenly become an eager customer. So, too, perhaps, with the nation’s stock of residential homes — the prices of which, instead of reverting to more realistic values, will get a boost from the Fed’s repeated rounds of interest rate-cutting.

Government interventions always bring disruptions, but when Washington meddles in financial markets, the potential for the sort of distortion that obscures proper incentives is especially large, due to our markets’ complexities. Even Robert Rubin, the Citigroup executive and former Treasury secretary, has admitted he had never heard of a type of contract responsible for major problems at Citi.

Bear is a far smaller company, and, it would seem, far simpler. But consider that as recently as three weeks ago, it was valued at $65 a share. Then, as it became clear that Bear faced the modern equivalent of a bank run,

JPMorgan Chase negotiated a merger with the figure of $10 a share in mind. Alas, at the 11th hour, Morgan’s bankers realized they couldn’t get a handle on what Bear owned — or owed — and got cold feet. Under heavy pressure from the Fed and the Treasury, a deal was struck at the price of a subway ride — $2 a share.

It is safe to say that neither Jamie Dimon, Morgan’s chief executive, nor Ben Bernanke, the Fed chairman who pushed for the deal, know what Bear is really worth. For the record, Bear’s book value per share is $84. As Meredith Whitney, who follows Wall Street for Oppenheimer, remarked, “It’s hard to get a linear progression from 84 to 2.”

Capitalism isn’t supposed to work like this, and before the advent of modern finance, it usually didn’t. Market values fluctuate, but — in the absence of fraud — billion-dollar companies do not evaporate. Yet it’s worth noting that Lehman Brothers’ stock also fell by half and then recovered within a 24-hour span. Once, investors could get a read on financial firms’ assets and risks from their balance sheets; those days are history.

Firms now do much of their business off the balance sheet. The swashbuckling Bear Stearns was a party to $2.5 trillion — no typo — of a derivative instrument known as a credit default swap. Such swaps are off-the-books agreements with third parties to exchange sums of cash according to a motley assortment of other credit indicators. In truth, no outsider could understand what Bear (or Citi, or Lehman) was committed to. The thought that Bear’s counterparties (the firms on the other side of that $2.5 trillion) would call in their chits — and then cancel their trades with Lehman, perhaps with Merrill Lynch and so forth — sent Wall Street into panic mode. Had Bear collapsed, or so asserted a veteran employee, “it would have been the end: pandemonium and global meltdown.”

Perhaps. Or perhaps, after some bad weeks or months, Wall Street would have recovered. What is scary is the degree to which the Fed assimilated the alarmism on the Street: “These guys are so afraid of an economic cycle,” a hedge-fund manager remarked. And without public airing or debate, it stretched the implicit federal safety net under Wall Street.

To question intervention is not to dispute that markets need rules. But for nearly two decades, Washington has trimmed its regulatory sails. The repeal of Glass-Steagall, which once separated banks from securities firms, and the evolution of new instruments that circumvent disclosure rules have loosened the market’s moorings. Huge pools of capital have been permitted to operate virtually unregulated. Mortgages have been written to the flimsiest of credits. Swelling derivative books have made a mockery of disclosure.

The relaxation of oversight has implied an unholy bargain: let markets operate unfettered in good times, confident that the feds will come to the rescue in bad. In 1998, the Fed intervened to cushion the collapsing hedge fund Long-Term Capital Management; dot-com stocks immediately began their dubious ascent. Then, when the tech meltdown led to a recession and the Fed cut rates to 1 percent, adjustable-rate mortgages became as hot as the iPod. One rescue begets the next excess.

It is true that Bear’s shareholders have suffered steep losses. But the Fed went much further than in previous episodes to calm the waters. Notably, it announced it would accept mortgage securities as collateral for loans — enlarging its role as lender of last resort. (Wall Street jesters had it that the Fed would also be accepting “cereal box-tops.”) Then the Fed extended a backstop line of credit to JPMorgan to tide Bear over; finally, it agreed to absorb the ugliest $30 billion of Bear’s assets.

Government rescues are as old as private enterprise itself, but we are well beyond the days of guaranteeing loans to stodgy manufacturers à la Chrysler and Lockheed. Those cases were contained; the borders of finance are more nebulous. However pure of motive, Bernanke & Co. are underwriting overleveraged markets whose linkages, even today, are dimly understood. The formula of laissez faire in advance and intervention in the aftermath has it exactly wrong. Better that the Fed, with Congress’s help if need be, ensures that regulators and markets have the tools to know what companies are worth before the trouble hits.

Roger Lowenstein, NYTimes, 30.03.08

domingo, 30 de março de 2008

Nova politica industrial

Política industrial é sempre um tema controverso. Para aqueles que não confiam no mercado ela é a salvação da lavoura. Outros, como é o meu caso, tem uma visão menos ingênua dos poderes milagrosos da intervenção estatal. Ela é, as vezes, necessária, já que o mercado esta longe de ser a maravilha idealizada pelos ideólogos do livre mercado. Contudo, é bom recordar que se há imperfeições de mercado, existem, também, imperfeições criadas pela intervenção estatal.

No caso da proposta de política industrial do atual governo há menos motivos para temores, já que ela sendo articulada por um dos melhores especialistas da área: Luciano Coutinho. O setor de saúde é realmente importante e estratégico e por isto merece uma atenção toda especial, o mesmo não parece ser o caso do setor de tecnologias de informação e comunicação. É necessário não repetir os erros do passado e retomar um processo de substituição que já cumpriu seu papel histórico no processo de industrialização brasileiro. Os ganhos deste processo foram importantes, mas é uma fase já superada, querer retomá-la , como regra geral de política industrial, um grande equivoco.

sábado, 29 de março de 2008

Spring is like a perhaps hand

Spring is like a perhaps hand
(which comes carefully out of Nowhere)arranging
a window,into which people look(while
people stare
arranging and changing placing
carefully there a strange
thing and a known thing here)and

changing everything carefully

spring is like a perhaps
Hand in a window
(carefully to
and fro moving New and
Old things,while
people stare carefully
moving a perhaps
fraction of flower here placing
an inch of air there)and

without breaking anything


sexta-feira, 28 de março de 2008

Santo Agostinho

Jamais démentie au fil des siècles, avec les Lumières pour seule parenthèse, la passion pour saint Augustin aura inspiré les plus grands esprits : saint Thomas d'Aquin, Luther et Calvin (autour des questions de la foi, du péché originel, de la prédestination), les jansénistes qui accaparèrent sa pensée en la radicalisant, jusqu'à Chateaubriand que la lecture des Confessions laissa fort ému. Aujourd'hui, la figure du théologien s'estompe derrière celle du philosophe et de l'écrivain. Augustin est au coeur de nos préoccupations présentes. Ayant assuré le passage de l'Antiquité au christianisme, il apparaît comme le fondateur de l'homme occidental. L'expérience autobiographique des Confessions lui a permis d'occuper une place centrale dans notre manière d'envisager le monde, qu'il s'agisse de ses conceptions du temps, de la guerre ou de la sexualité. Par-delà les siècles, Augustin demeure notre contemporain.

Fonte: David Rabouin(Le Magazine Littéraire)

quinta-feira, 27 de março de 2008


augusto de campos(10984)

ver a versão com a formatação do autor em:

quarta-feira, 26 de março de 2008


Os desenvolvimentistas adoram criar novas fantasmas. Um dos mais divertidos é a tese de desindustrialização. A indústria estaria sendo morta pelo crescimento das commodities : dado um estoque de capital limitado o crescimento de um setor, levaria, inevitavelmente a estagnação e depois a regressão do outro. A taxa de câmbio apreciada reforçaria este movimento.

Resta saber se o país passa por um processo de desindustrialização ou por um processo de mudanças estruturais. Acho a segunda hipótese mais interessante. A abertura e modernização da economia e a falta do espirito animal de alguns empresários parece ter condenado alguns segmentos da indústria a uma morte lenta. Este processo, no curto prazo, pode ser doloroso, mas no médio e longo prazo não implica em desindustrialização, mas em transformação quantitativa e qualitativa da indústria, que passaria a ser muito mais competitiva no mercado interno, inicialmente, e depois no mercado externo. Etiquetar este processo como sendo desindustrialização é no mínimo prematuro .

terça-feira, 25 de março de 2008

Bresser Pereira

Um dos doyen dos desenvolvimentistas, reputado membro da esquerda católica, e meu querido e generoso ex-professor e ex-orientador, afirma em artigo na Folha que “ No Brasil, o grande desafio continua a ser o binômio taxa de câmbio apreciada-taxa de juros alta”. Ele, também, está preocupado com um provável déficit na conta corrente e com as reservas, que ele considera frágeis.

Ele é sempre um otimista apaixonado pelo Brasil, mas acho que anda muito pessimista. É um exagero considerar as reservas frágeis e uma recaída neo-mercantilista a avaliação em relação a conta corrente.

A taxa de câmbio está apreciada? É difícil responder, mas sou um daqueles que acredita que ela é determinada pelas forças do mercado. A taxa de juros é mais complicada, mas não me parece ser possível discuti-la sem incluir, também, o sistema de metas inflacionárias. Neste modelo a variável chave é a taxa de juros e a taxa de câmbio é, necessariamente, determinada pelo mercado. Qual seria a alternativa? Um modelo com taxa de câmbio como meta? E o risco de um ataque especulativo?

segunda-feira, 24 de março de 2008

A classe operária vai ao paraiso

“Adorado por seus superiores por ser um trabalhador extremamente dedicado e odiado pelo mesmo motivo por seus colegas de trabalho. Lulu vive entregue aos sonhos de consumo da classe média, alienado em meio aos movimentos de protesto de sua classe, até que um acontecimento põe em xeque suas opiniões.” Esta é a sinopse do filme italiano “ A classe operária vai ao paraíso, um clássico do cinema politico , de 1971. Pensei neste filme ao ler as noticias na Folha sobre o consumo das classes de baixa renda e ao recordar a surpresa de alguns colegas, ótimos economistas, com os bons números da economia brasileira. Para usar uma expressão antiga: a ficha ainda não caiu. Há quem insiste em ver o Brasil como um país subdesenvolvido, outros, em esperar pelo dia da Revolução para solucionar os nossos problemas sociais. Enquanto isto o padrão de consumo se altera e as classes C, D e E, finalmente, tem acesso a produtos, antes restritos as classes A e B.

Os números são surpreendentes: “sozinha a classe C é responsável por 30% do consumo. Há cinco anos a participação das três classes sociais era de 48%”(FSP,24.03.08). Hoje corresponde a 85%. Contudo, “apesar das potencialidades, as grandes empresas resistem à baixa renda. André Torreta, diretor de A Ponte, empresa que faz pesquisa de mercado na baixa renda, considera que o preconceito é a maior barreira”(FSP, 24.03.08). A boa noticia é que uma multinacional, Nestle, crucificada, varias vezes pela esquerda chic, já reconhece o potencial deste mercado e contratou 3 diretores que moravam em favelas para ensinar o cotidiano dessas comunidades. A reportagem, aparentemente, não ouviu a opinião de nenhum empresário brasileiro, o que é no minímo curioso. Seriam eles membros da turma do preconceito?

domingo, 23 de março de 2008

Elementar, meu caro Watson, o pobre é o culpado.

Ah! o consumidor de baixa renda, personagem que não recebeu a dotação normal de racionalidade econômica, esta sempre pronto a criar problemas aos formuladores da política econômica. É o mordomo dos planos econômicos: sempre culpado. Há períodos em que consomem carne bovina em excesso , outros em que tem a audácia de comprar carro a ser pago em um longo prazo: 7 anos. Loucura total, murmura o economista desenvolvimentista com o que concorda, muito a contragosto, seu colega monetarista. Política de crédito defende o primeiro, a monetária é mais eficaz argumenta o segundo. O pobre consumidor observa tudo atônito. Mas o que fazer com os bens que não serão comprados pelo consumidor de baixa renda? Exportar é a solução e como sempre se repete, em situações semelhantes, é necessário criar incentivos. Naturalmente, a conta será paga pelo contribuinte. Em silêncio os dois, desenvolvimentista e monetarista, sonham com um mundo onde o consumidor de baixa renda conhece o seu lugar e somente de o seu ar de graça em período eleitoral.

sábado, 22 de março de 2008


O texto que o Papa Bento XVI teria lido durante a visita à Universidade de Roma "La Sapienza", prevista para o dia 17 de Janeiro, depois anulada em 15 de Janeiro de 2008:

Magnífico Reitor
Excelentíssimas Autoridades políticas e civis
Ilustres professores e pessoal técnico-administrativo,
Queridos jovens estudantes

É para mim motivo de profunda alegria encontrar-me com a comunidade da "Sapienza Universidade de Roma", por ocasião da inauguração do ano académico. Há séculos que esta Universidade marca o caminho e a vida da cidade de Roma, fazendo frutificar as melhores energias intelectuais em cada campo do saber. Depois da fundação querida pelo Papa Bonifácio VIII, a instituição, quer no período em que dependia directamente da Autoridade eclesiástica, quer sucessivamente, quando o Studium Urbis se desenvolveu como instituição do Estado Italiano, a vossa comunidade académica manteve um grande nível científico e cultural, que a coloca entre as mais prestigiosas universidades do mundo. Desde sempre, a Igreja de Roma tem olhado com simpatia e admiração para este centro universitário, reconhecendo o seu empenho, por vezes árduo e cansativo, de investigação e de formação das novas gerações. Nestes últimos anos, não faltaram momentos significativos de colaboração e diálogo. Apraz-me recordar, de modo particular, o Encontro Mundial dos Reitores, por ocasião do Jubileu das Universidades, que viu a vossa comunidade ocupar-se não apenas do acolhimento e da organização, mas também e sobretudo da proposta profética e complexa que era a elaboração de um "novo humanismo para o terceiro milénio".
Nesta circunstância, começo por expressar a minha gratidão pelo convite que me foi dirigido para falar à vossa universidade. Com esta perspectiva em mente, pus-me antes de tudo esta pergunta: O que é que pode e deve dizer um Papa numa ocasião como esta? Na minha prelecção em Ratisbona, falei certamente como Papa mas fi-lo sobretudo enquanto ex-professor daquela minha universidade, procurando unir lembranças e actualidade. Mas, à universidade "Sapienza", a antiga universidade de Roma, fui convidado a vir precisamente como Bispo de Roma e, por isso, devo falar enquanto tal. Sem dúvida, outrora a "Sapienza" era a universidade do Papa, mas hoje é uma universidade laica com aquela autonomia que, na base do seu próprio conceito constituinte, sempre fez parte da natureza da universidade, que deve estar vinculada exclusivamente à autoridade da verdade. Na sua liberdade de autoridades políticas e eclesiásticas, a universidade encontra a sua função particular, nomeadamente na sociedade moderna, que tem necessidade de uma instituição deste género.
Volto à minha pergunta inicial: O que é que pode e deve dizer o Papa no encontro com a universidade da sua cidade? Reflectindo sobre esta questão, pareceu-me que a mesma incluísse outras duas, cujo esclarecimento por si mesmo havia de levar à resposta. Com efeito, é necessário interrogar-se: Qual é a natureza e a missão do Papado? E ainda: Qual é a natureza e a missão da universidade? Não quero aqui demorar-vos, a vós e a mim, com prolongadas indagações sobre a natureza do Papado. Uma breve menção é suficiente. O Papa é primariamente Bispo de Roma e como tal, em virtude da sucessão do Apóstolo Pedro, detém uma responsabilidade episcopal por toda a Igreja Católica. A palavra "bispo" - episkopos, cujo significado imediato é o de "sentinela", já no Novo Testamento se fundiu com o conceito bíblico de Pastor: é alguém que olha o conjunto de um ponto de observação mais elevado, cuidando do recto caminho e da coesão da totalidade. Neste sentido, tal designação da sua missão aponta antes de mais para o interior da comunidade crente. O Bispo o Pastor é o homem que tem cuidado desta comunidade; é aquele que a conserva unida, mantendo-a no caminho para Deus, que foi indicado, segundo a fé cristã, por Jesus e não somente indicado: Ele mesmo é, para nós, o caminho. Mas, esta comunidade da qual o Bispo se ocupa seja ela grande ou pequena vive no mundo; as suas condições, o seu caminho, o seu exemplo e a sua palavra influem, inevitavelmente, sobre o resto da comunidade humana inteira. Quanto maior ela for, mais a sua condição salutar ou então uma eventual degradação se repercute no conjunto da humanidade. Salta hoje aos nossos olhos, com grande clareza, como as condições das religiões e como a situação da Igreja as suas crises e as suas renovações influem no conjunto da humanidade. Assim o Papa, precisamente como Pastor da sua comunidade, foi-se tornando cada vez mais também uma voz da razão ética da humanidade.
Porém, aqui levanta-se imediatamente uma objecção, ou seja, que o Papa, de facto, não falaria verdadeiramente com base na razão ética, mas tiraria as suas conclusões da fé e, por isso, não poderia pretender a validade das mesmas para quantos não partilham desta fé. Havemos ainda de voltar a este tema, deixando-o por agora porque se levanta aqui a questão absolutamente fundamental: O que é a razão? Como pode uma afirmação sobretudo uma norma moral demonstrar-se "razoável"? Aqui gostaria, brevemente apenas, de relevar que John Rawls, embora negando às doutrinas religiosas compreensivas o carácter da razão "pública", todavia vê na sua razão "não pública" pelo menos uma razão que não poderia, em nome de uma racionalidade secularizadamente insensível, ser simplesmente desconhecida por aqueles que a defendem. Para além do mais, ele vê um critério desta razoabilidade no facto de tais doutrinas derivarem de uma tradição responsável e motivada, tendo sido durante um longo período desenvolvidas argumentações suficientemente boas em defesa da respectiva doutrina. Nesta afirmação, parece-me importante o reconhecimento de que a experiência e a demonstração ao longo das gerações a base histórica da sabedoria humana constituem também um sinal da sua razoabilidade e do seu significado duradouro. Diante duma razão não histórica que procura autoconstruir-se somente numa racionalidade não histórica, a sabedoria da humanidade como tal a sabedoria das grandes tradições religiosas deve ser valorizada como realidade que não se pode impunemente lançar para o cesto da história das ideias.
Voltemos à pergunta inicial. O Papa fala como representante de uma comunidade crente, na qual, durante os séculos da sua existência, amadureceu uma determinada sabedoria da vida; fala como representante de uma comunidade que guarda em si um tesouro de conhecimento e de experiência ética, que se revela importante para toda a humanidade: neste sentido, fala como representante de uma razão ética.
Mas agora devemos interrogar-nos: O que é a universidade? Qual é a sua missão? É uma questão colossal, à qual mais uma vez me é possível tentar responder, em estilo quase telegráfico, com algumas observações. Penso que se possa afirmar que a verdadeira e íntima origem da universidade esteja na sede de conhecimento, que é própria do homem. Este quer saber o que é tudo aquilo que o circunda. Quer a verdade. Neste sentido, podemos ver o questionar-se de Sócrates como o impulso do qual nasceu a universidade ocidental. Penso, por exemplo para mencionar somente um texto na disputa com Eutifrone, que diante de Sócrates defende a religião mítica e a sua devoção. A isto, Sócrates contrapõe a pergunta: "Tu acreditas que entre os deuses exista realmente uma guerra recíproca e terríveis inimizades e combates... Teremos nós, Eutifrone, de afirmar que tudo isto é verdade?" (6 b-c). Nesta pergunta, aparentemente pouco devota mas que, em Sócrates, derivava de uma religiosidade mais profunda e mais pura, ou seja, da busca do Deus verdadeiramente divino , os cristãos dos primeiros séculos reconheceram-se a si mesmos e ao seu caminho. Acolheram a sua fé não de forma positivista, ou como a via de fuga de desejos não realizados; compreenderam-na como uma diluição da neblina da religião mitológica para deixar espaço à descoberta daquele Deus que é Razão criadora e, ao mesmo tempo, Razão-Amor. Por isso, o interrogar-se da razão sobre o Deus maior e também sobre a verdadeira natureza e o autêntico sentido do ser humano era, para eles, não uma forma problemática de falta de religiosidade, mas fazia parte da essência do seu modo de ser religiosos. Por conseguinte, eles não tinham necessidade de diluir ou abandonar o questionar-se socrático, mas podiam, aliás deviam, acolhê-lo e reconhecer como parte da sua própria identidade a árdua busca da razão para alcançar o conhecimento da verdade inteira. Assim podia, aliás devia, no âmbito da fé cristã, no mundo cristão, nascer a universidade.
É necessário dar mais um passo. O homem quer conhecer; quer a verdade. Esta é primariamente algo que diz respeito ao ver, ao compreender, à theoría, como a denomina a tradição grega. Mas, a verdade nunca é apenas teórica. Agostinho, ao estabelecer uma correlação entre as Bem-Aventuranças do Sermão da Montanha e os dons do Espírito mencionados no capítulo 11 de Isaías, notou uma reciprocidade entre "scientia" e "tristitia": o simples saber disse deixa-nos tristes. E realmente quem se limita a ver e apreender tudo aquilo que acontece no mundo, acaba por ficar triste. Mas, verdade significa mais do que saber: o conhecimento da verdade tem como finalidade o conhecimento do bem. Este é também o sentido do questionar-se socrático: Qual é o bem que nos torna verdadeiros? A verdade torna-nos bons, e a bondade é verdadeira: tal é o optimismo que vive na fé cristã, porque a esta foi concedida a visão do Logos, da Razão criadora que, na encarnação de Deus, se revelou conjuntamente como o Bem, como a própria Bondade.
Na teologia medieval, houve uma disputa profunda sobre a relação entre teoria e prática, sobre a justa relação entre conhecer e agir uma disputa que não cabe aqui desenvolver. Com efeito, a universidade medieval com as suas quatro Faculdades apresenta esta correlação. Comecemos pela Faculdade que, segundo a compreensão da época, era a quarta: a de Medicina. Não obstante fosse considerada mais como "arte" do que como ciência, todavia a sua inserção no cosmos da universitas significava claramente que estava colocada no âmbito da racionalidade, que a arte de curar se encontrava sob a guia da razão, subtraindo-se ao âmbito da magia. Curar é uma missão que exige sempre mais do que a simples razão, mas por isso mesmo precisa da conexão entre saber e poder, tem necessidade de pertencer ao campo da ratio. Inevitavelmente levanta-se a questão da relação entre prática e teoria, entre conhecimento e agir, na Faculdade de Jurisprudência. Trata-se de atribuir a justa forma à liberdade humana, que é sempre liberdade na comunhão recíproca: o direito é o pressuposto da liberdade, e não o seu antagonista. Mas aqui levanta-se a questão: Como se individualizam os critérios de justiça que tornam possível uma liberdade vivida em conjunto e favorecem o ser bom do homem? Nesta altura, impõe-se dar um salto ao presente: É a questão do modo como se pode encontrar uma normativa jurídica que constitua um ordenamento da liberdade, da dignidade humana e dos direitos do homem. É a questão que nos ocupa hoje nos processos democráticos de formação da opinião e que, ao mesmo tempo, nos angustia porque problemática para o porvir da humanidade. Na minha opinião, Jürgen Habermas exprime um vasto consenso do pensamento contemporâneo, quando afirma que a legitimidade de uma carta constitucional, como pressuposto da legalidade, derivaria de duas fontes: da participação política igualitária de todos os cidadãos e da forma razoável como são resolvidos os contrastes políticos. A propósito da referida "forma razoável", observa ele que a mesma não pode ser somente uma luta por maiorias aritméticas, mas há-de caracterizar-se como um "processo de argumentação sensível à verdade" (wahrheitssensibles Argumentationsverfahren). É uma afirmação correcta, mas muito difícil de transformar em prática política. Os representantes daquele público "processo de argumentação" são predominantemente como sabemos os partidos enquanto responsáveis pela formação da vontade política. Com efeito, estes terão infalivelmente em vista sobretudo a consecução de maiorias e, por conseguinte, olharão de maneira quase inevitável pelos interesses que prometem satisfazer; mas, tais interesses muitas vezes são particulares e não favorecem verdadeiramente a comunidade. A sensibilidade pela verdade acaba incessantemente subjugada à sensibilidade pelos interesses. Julgo significativo o facto de que Habermas fale da sensibilidade pela verdade como de um elemento necessário no processo de argumentação política, voltando assim a inserir o conceito de verdade no debate filosófico e político.
Mas, então, torna-se inevitável a pergunta de Pilatos: O que é a verdade? E como a reconhecemos? Se para isso se remete para a "razão pública", como faz Rawls, segue-se necessariamente a questão: O que é razoável? Como é que uma razão se demonstra verdadeira? De qualquer maneira, sobre esta base torna-se evidente que, na busca do direito da liberdade, da verdade da justa convivência, devem ser ouvidas outras instâncias diversas dos partidos e grupos de interesse, sem com isto querer minimamente contestar a importância destes. Voltamos assim à estrutura da universidade medieval. Ao lado da Faculdade de Jurisprudência, havia as Faculdades de Filosofia e de Teologia, às quais estava confiada a investigação sobre o ser homem na sua totalidade e, consequentemente, a missão de conservar viva a sensibilidade pela verdade. Poder-se-ia mesmo afirmar que o sentido permanente e autêntico das duas Faculdades é este: serem guardiães da sensibilidade pela verdade, não permitirem que o homem seja afastado da busca da verdade. Mas como é que elas podem corresponder a esta missão? Trata-se aqui de uma questão pela qual é necessário lutar incessantemente sem nunca estar posta e resolvida de maneira definitiva. Estando assim as coisas, nem sequer eu posso oferecer propriamente uma resposta, mas simplesmente um convite para continuarem a caminhar com esta interrogação a caminhar com os grandes que, ao longo de toda a história, lutaram e procuraram com as suas respostas e com a sua inquietude pela verdade, que remete continuamente para além de cada uma das respostas individuais.
Teologia e filosofia formam nisto um par de gémeos peculiar, não podendo nenhuma das duas desligar-se totalmente da outra e, todavia, cada uma deve conservar a própria tarefa e identidade. É mérito histórico de S. Tomás de Aquino face às diferentes respostas dos Padres, em virtude do seu contexto histórico ter evidenciado a autonomia da filosofia e, juntamente com ela, o direito e a responsabilidade própria da razão de se interrogar com base nas suas forças. Diferenciando-se das filosofias neoplatónicas, onde religião e filosofia se encontravam inseparavelmente entrelaçadas, os Padres tinham apresentado a fé cristã como a verdadeira filosofia, ressaltando ainda que esta fé corresponde às exigências da razão na sua busca da verdade; que a fé é o "sim" à verdade, comparativamente às religiões míticas que se tinham tornado uma simples rotina. Sucessivamente, porém, na época do nascimento da universidade, no Ocidente já não existiam aquelas religiões mas somente o cristianismo, e assim era necessário ressaltar novamente a responsabilidade própria da razão, de modo que não fosse absorvida pela fé. S. Tomás interveio num momento privilegiado: pela primeira vez, os escritos filosóficos de Aristóteles tornaram-se acessíveis na sua integridade; estavam presentes as filosofias hebraicas e árabes enquanto específicas apropriações e prolongamentos da filosofia grega. Assim o cristianismo, num novo diálogo com a razão dos outros que ia encontrando, teve que lutar em favor da sua própria razoabilidade. Designada "Faculdade dos Artistas", a Faculdade de Filosofia, que até então tinha sido somente propedêutica à teologia, tornou-se agora uma verdadeira e própria Faculdade, um parceiro autónomo da teologia e da fé nela reflectida. Não é possível aqui demorarmo-nos sobre o fascinante confronto que daí resultou. Diria que a ideia de S. Tomás acerca da relação entre filosofia e teologia poderia ser expressa pela fórmula encontrada pelo Concílio de Calcedónia para a cristologia: filosofia e teologia devem relacionar-se entre si "sem confusão e sem separação". "Sem confusão" significa que cada uma delas deve conservar a própria identidade. A filosofia deve permanecer verdadeiramente uma busca da razão na própria liberdade e na própria responsabilidade; deve ver os seus limites e, precisamente deste modo, também a sua grandeza e vastidão. A teologia deve continuar a beber num tesouro de conhecimento que não foi inventado por ela, que sempre a supera e que, não podendo jamais ser totalmente esgotado mediante a reflexão, por isso mesmo leva o pensamento a começar sempre de novo. Mas, a par do dado "sem confusão", vigora também o dado "sem separação": a filosofia não recomeça cada vez do ponto zero do sujeito individual que pensa, mas vive no grande diálogo da sabedoria histórica, que ela, crítica e ao mesmo tempo docilmente, acolhe e desenvolve sempre de novo; mas também não deve fechar-se diante daquilo que as religiões e, de modo particular, a fé cristã receberam e transmitiram à humanidade como indicação do caminho. Várias coisas, ditas por teólogos ao longo da história ou mesmo traduzidas na prática pelas autoridades eclesiais, foram demonstradas como falsas pela história, e hoje confundem-nos. Mas, simultaneamente, é verdade que a história dos santos, a história do humanismo desenvolvido sobre a base da fé cristã demonstra a verdade desta fé no seu núcleo essencial, tornando-a desta forma também um paradigma para a razão pública. Sem dúvida, muito do que dizem a teologia e a fé só pode ser assumido no âmbito da fé e, portanto, não pode apresentar-se como exigência para aqueles a quem esta fé permanece inacessível. Ao mesmo tempo, porém, resta verdadeiro que a mensagem da fé cristã nunca é somente uma "comprehensive religious doctrine", no sentido de Rawls, mas uma força purificadora para a própria razão, que a ajuda a ser cada vez mais ela mesma. Com base na sua origem, a mensagem cristã deveria ser sempre um encorajamento à verdade e, consequentemente, uma força contra a pressão do poder e dos interesses.
Pois bem, até agora falei somente da universidade medieval, procurando contudo deixar transparecer a natureza permanente da universidade e da sua missão. Nos tempos modernos, abriram-se novas dimensões do saber, que, na universidade, são valorizadas sobretudo em dois grandes âmbitos: em primeiro lugar, nas ciências naturais, que se desenvolveram com fundamento na conexão de experiência com a pressuposta racionalidade da matéria; em segundo lugar, nas ciências históricas e humanistas, nas quais o homem, perscrutando o espelho da sua história e esclarecendo as dimensões da sua natureza, procura compreender-se melhor a si mesmo. Neste desenvolvimento, abriu-se à humanidade não apenas uma medida imensa de saber e poder; mas aumentaram também o conhecimento e o reconhecimento dos direitos e da dignidade do homem, e disto podemos apenas sentir-nos gratos. No entanto, o caminho do homem jamais pode dizer-se completo, e o perigo de cair na desumanidade nunca está esconjurado de todo: como se vê no panorama da história actual! O perigo do mundo ocidental para falar somente dele é que o homem hoje, precisamente à vista da grandeza do seu saber e do seu poder, desista diante da questão da verdade; significando isto ao mesmo tempo que, no fim de contas, a razão cede face à pressão dos interesses e à atracção da utilidade, obrigada a reconhecê-la como critério derradeiro. Dito do ponto de vista da estrutura da universidade: existe o perigo de que a filosofia, deixando de se sentir à altura da sua autêntica missão, se degrade em positivismo; que a teologia, com a sua mensagem dirigida à razão, seja confinada na esfera privada de um grupo mais ou menos numeroso. Mas, se a razão ciosa da sua presumida pureza se torna surda à grande mensagem que lhe chega da fé cristã e da sua sabedoria, seca como uma árvore cujas raízes já não chegam às águas que lhes dão vida. Perde a coragem pela verdade; e deste modo não fica maior, mas menor. Aplicado à nossa cultura europeia, isto significa: se ela quiser autoconstruir-se unicamente com base no círculo das suas próprias argumentações e naquilo que de momento a convence e preocupada com a sua laicidade se separa das raízes de que vive, então não se torna mais razoável nem mais pura, mas desagrega-se e fragmenta-se.
Assim, volto ao ponto de partida. O que é que o Papa tem a fazer ou a dizer na universidade? Seguramente, não deve procurar impor de modo autoritário aos outros a fé, a qual pode ser dada somente em liberdade. Para além do seu ministério de Pastor na Igreja e com base na natureza intrínseca deste ministério pastoral, é sua missão manter desperta a sensibilidade pela verdade; convidar sempre de novo a razão a pôr-se à procura da verdade, do bem, de Deus e, neste caminho, estimulá-la a entrever as luzes úteis que foram surgindo ao longo da história da fé cristã e, assim, sentir Jesus Cristo como a Luz que ilumina a história e ajuda a encontrar o caminho rumo ao futuro.
Vaticano, 17 de Janeiro de 2008.

sexta-feira, 21 de março de 2008

God’s newest house in the Gulf

Thousands were dubbed ‘living stones' by the Vatican's head of evangelisation as they celebrated the consecration of the church of Our Lady of the Rosary last week in Qatar, the latest Arabian Muslim state to permit the opening of a dedicated place of Catholic worship
When a mosque was built in Rome the authorities ruled that the minaret could not be taller than St Peter's. Similarly the architect designing the first ever Catholic church in the Arabian Gulf state of Qatar had to be mindful of the Islamic laws of the host country. Hence Our Lady of the Rosary in the capital, Doha, has no steeple, bell or cross or indeed anything else on the outside that advertises it as a Christian place or worship.
At the festivities last Saturday to mark the consecration there were yet more reminders that this church is not welcomed by all in this conservative Islamic state: stationed at each entrance of the building was an armed security guard supplied by the Government.
Inside, however, the mood was one of joyous celebration lasting almost four hours. The 2,000 or so seats were filled, the aisles packed and hundreds more people stood outside watching the service on TV screens. On the altar were parish priests, bishops and nuncios past and present, and Cardinal Ivan Dias, head of the Congregation for the Evangelisation of Peoples and former Archbishop of Bombay. Before them were rows and rows of uniforms: children in feather-winged angel outfits, eucharistic ministers in white robes, men in dark suits, more in jeans, Indian women in saris.
The church is a vast, light, airy semi-circular chamber with vaults that fan out from a circle of golden light in the ceiling. The blue walls, which pale near the top to represent an ascent heavenwards, are stencilled with angels, the Holy Family and saints, and behind the altar are stained-glass windows brought over from an old church in France with the help of Bertrand Besancenot, formerly France's ambassador in Qatar and now representing his country in Saudi Arabia.
In his homily Cardinal Dias told the congregation they were all "living stones in the house of God", and to loud cheers held up a chalice he has brought as a gift from Pope Benedict. Many Catholics have come to work in Qatar over the last 15 years since the discovery of large reserves of petroleum and natural gas fuelled the country's rapid modernisation and a building boom. This has produced jobs for Western oil workers, jobs for Indian engineers, Indian taxi-drivers, Bangladeshi stall-holders, Filipino labourers, Filipina maids. Of Qatar's 900,000 population, more than 500,000 - some say 800,000 - are foreign.
At the consecration this demographic was celebrated by a "parade of nations" - representatives from some 60 countries who processed altarwards in national dress. There was Indian dancing and African singing and drumming. Later, prayers were said by a dozen or so people in as many different languages, among them French, Italian, Arabic (for the Lebanese), Sinhalese from Sri Lanka, Tagalog from the Philippines, Malayalam and Tamil from India, and Urdu from Pakistan.
The former parish priest, Californian Fr John Van Deerlin, told the congregation that the church had been a long time coming -eight years since permission was granted - and there had been long discussions about the risks attached to making their worship public. After the Mass, a former Apostolic Vicar of Arabia, Bishop Bernardo Gremoli, told The Tablet that the new church was "a dream come true". He said he had befriended the current Emir before he came to power in 1995 and the church is in large part the fruit of their relationship. Our Lady of the Rosary was built at a cost of more than £7 million on land donated by the Emir. On the same compound a Syrian Orthodox church has been built and will be consecrated shortly, and permissions have been granted for Anglican, Coptic and multi-denominational churches.
According to Bishop Gremoli the previous Emir was much more hardline. But today Qatar is the home of Al Jazeera and of an annual interfaith conference. Although apostasy is still illegal for its majority Muslim citizens, Qatar is receptive to people from minority faiths. In many speeches at the consecration, and at a diplomatic reception the night before, the church reiterated its gratitude to the Emir, Sheikh Hamad bin Khalifa al-Thani. At the reception, which included a non-alcoholic cocktail party, vice-Prime Minister Abdullah bin Hamad al-Attiyah said the Emir urged "people to accept the good features of every religion for one's own betterment and for the improvement of relations between communities and people of different cultures".
The consecration and a diplomatic reception made front-page news in three main papers; an editorial in The Peninsula pointed out that while some had criticised the Government for granting the churches permission to build, there was "widespread approval" for the projects. The Gulf Times went further, including a feature acknowledging Qatar's pre-Islamic - Christian - past and adding that in the main the gradual mass-conversion to Islam in the country occurred "peacefully".
It is believed that churches existed in Qatar until 1,400 years ago, perhaps even later. The country was part of the Church of the East, the Church of the Persian Empire, which today exists as the Ancient Church of the East and the Assyrian Church of the East. Both branches are currently in talks with the Vatican. In the seventh century, Qatar was an important Christian centre. There was a bishopric and it was the birthplace of the mystic and writer Isaac of Nineveh. At the time Christians were followers of Bishop Nestorius, whose view of Christ as two persons were declared heretical at the Council of Ephesus (431). Though historical records are scant it appears that Islam and Christianity co-existed in Qatar for a few centuries before increasing social, economic and political pressure forced more and more Christians to convert to Islam and by the eleventh century the faith had disappeared.
Nine centuries on, the first Catholic priest in Doha arrived in 1976. Now there is a community of Capuchins and a team of seven priests led by Fr Tomasito Veneracion, a Filipino, to minister to expatriate workers. For the last 10 years or so Catholics coming to Qatar have worshipped in a modest parish centre on the outskirts of Doha, where up to 20 Masses have been celebrated in various languages, and even in various Oriental Rites, on Fridays, Saturdays and Sundays. With the Muslim day of rest being Friday, Saturdays and Sundays are regular weekdays with most people attending Mass before or after work.
Aref Ali Nayed, an adviser to the Cambridge Interfaith Programme and one of the 138 Muslim scholars who signed a letter addressed to the Pope inviting more Christian-Muslim dialogue, said the opening of the church was not so much evidence of a shift in attitude towards non-Muslims as a shift in demographic due to the movement of workers in the oil and financial sector. He said delays in granting permission to build churches or restrictions on architecture should not be seen as hostility towards Christians.
"People get the wrong impression that Muslims are preventing Christians from worshipping. You try getting a permit to build anything in Arabic or Western countries." Commenting on the ban on a sign outside the church, he said: "In non-Muslim countries, most mosques are not allowed to use loudspeakers for the call to prayer. You can't come in from outside and dictate how people should do things in another community. When something good happens, like this, the press wants to criticise the Emir's father or the Government. Given the situation in the world today, it's not very fair or wise. We need to encourage positive developments where they occur."
After the service excited Indians grabbed the Mumbai-born Cardinal Dias to join them in their family photos. "I can't express how excited I am to have a church," beamed a parish-council member, an engineer from Kerala who has lived here for more than 20 years. "All this time we've been ‘roaming Catholics'," joked another council member.
Just two days after the consecration of the Qatar church, Vatican Radio reported that discussions were taking place between the Vatican and the Saudi Government to build the first Catholic church in Saudi Arabia. The country has a Catholic population estimated at 800,000 - almost all of them migrant workers. At present they are forbidden to hold public services, or possess Bibles, rosaries or crucifixes. As the spokesman for the Holy See, Fr Federico Lombardi, pointed out last Tuesday, opening a church in Saudi Arabia would indeed be "a historic achievement".

Fonte: The Tablet, 22.03.08.

quinta-feira, 20 de março de 2008

God's Grandeur

God's Grandeur

The world is charged with the grandeur of God.
It will flame out, like shining from shook foil;
It gathers to a greatness, like the ooze of oil
Crushed. Why do men then now not reck his rod?
Generations have trod, have trod, have trod;
And all is seared with trade; bleared, smeared with toil;
And wears man's smudge and shares man's smell: the soil
Is bare now, nor can foot feel, being shod.

And for all this, nature is never spent;
There lives the dearest freshness deep down things;
And though the last lights off the black West went
Oh, morning, at the brown brink eastward, springs--
Because the Holy Ghost over the bent
World broods with warm breast and with ah! bright wings.

Gerard Manley Hopkins

quarta-feira, 19 de março de 2008

The Fed Can't Do It Alone

Psychology has now overwhelmed economics. What started last summer as a serious problem in a little-known -- but not so little -- corner of the U.S. mortgage market has blossomed into a worldwide financial panic, the sort we read about in history books. Except within the Republican Party, laissez-fairy tales have been discarded, and government support is being both sought and given.
The financial markets live or die on confidence. If you sell a security, you must believe the other guy will pay. You must also believe that something worth $30 at Friday's close, such as shares of Bear Stearns, will not be worth $2 at Monday's open. Such confidence looks to be draining from the system.
Who can restore it? Once upon a time, it was J.P. Morgan -- the man, not the company. Today, it must be the world's leading central banks and treasuries, starting with our own.
Unfortunately, this past weekend was a bad one for Team USA. On Friday, President Bush gave a speech at the Economic Club of New York that left people wondering whether he was in touch. On Sunday, Treasury Secretary Henry Paulson, who has been eerily silent as this crisis unfolded, made the rounds of the morning talk shows. It was not reassuring to see this former titan of Wall Street recite his talking points. Wolf Blitzer asked him five times, "Why did you bail out Bear Stearns?" He never got an answer.
Actually, the Treasury didn't bail out Bear Stearns; the Federal Reserve did. Chairman Ben Bernanke and the Fed have been working overtime; they have slashed interest rates and lent or offered money to almost everyone potentially involved in this mess. On Sunday, the Fed even put its own balance sheet at risk to smooth the way for J.P. Morgan (the company, not the man) to "buy" Bear Stearns. But the stunningly low purchase price, far below even the value of Bear Stearns's Manhattan building, did not exactly inspire confidence.
Earth to the White House and Congress: The Fed cannot do this job alone.
But isn't the central bank the fabled "lender of last resort"? Yes, and the Fed is performing that role extensively. But central banks are designed to lend money to banks that are illiquid but not insolvent. It is not supposed to spend taxpayer money or even put much of it at risk. Those political decisions are properly made by elected leaders.
So what can be done now?
First, everyone should take a deep breath. To those living far from the canyons of Manhattan, the sky is not falling. If you don't want to sell your home, forget about falling house prices. Even on paper, it's unlikely that you've "lost" anything near what you "gained" in the run-up. Yes, the economy is limping, but it's not collapsing. And the effects of the Fed's interest rate cuts and the stimulus package that Congress enacted last month are still to come.
Second, it would be nice to see some patient capital step up to the plate. With so many assets on fire sale, buying opportunities abound. Highly leveraged public companies with mark-to-market accounting and daily liquidity drains are too petrified to buy. But patient investors who don't need liquidity and don't have to worry about mark-to-market accounting have a chance to be the J.P. Morgans of our day.
Third, our nation's great financial houses need to use the breathing space the Fed is providing to put themselves in order -- post haste. They need to come clean, book the losses and, in many cases, raise new capital. If the capital must come from abroad, Americans must set aside their pride and/or xenophobia. (By the way, why are some of these companies still paying large dividends and enormous bonuses to their top executives?)
Fourth, we need leadership from political Washington. Forget the president. We need the Treasury secretary to take charge, not just to "support the Fed." While Paulson repeats his "strong dollar" mantra, confidence in the dollar ebbs. How about doing something about it -- such as a dramatic currency market intervention in concert with other nations?
Fifth, I'd like to hear the Fed, which has the credibility the administration lacks, talk more -- and in plain English. For example, I'd like to hear it answer Wolf Blitzer's question -- and others. I'm sure Bernanke can do it better than Paulson.
But our best hope for leadership from Washington may now be in Congress. Rep. Barney Frank (D-Mass.) and Sen. Chris Dodd (D-Conn.) are working on a fine bill that, by easing some of the stresses in the mortgage market, could do some real good. I urge Frank, Dodd and the Democratic leadership to expedite the process, and congressional Republicans should stop standing in the way.
In 1933, Franklin Roosevelt famously told Americans that "the only thing we have to fear is fear itself." Unbridled fear is gripping today's financial markets. We need some soothing words right now -- followed by actions, as FDR's words were. Who will step forward?

Alan S. Blinder, a vice chairman of the Federal Reserve from 1994 to 1996, is an economics professor at Princeton .

terça-feira, 18 de março de 2008

Frei Betto

Frei Betto tem toda razão quando afirma que “é preciso que os beneficiários[ do Bolsa Família] produzam sua própria renda, sem depender do poder público nem correr o risco de retornar à miséria.” Acerta, novamente, quando observa que “ não temos ainda democracia econômica”.

É difícil, no entanto, concordar com as respostas implicítas em algumas de suas indagações: “Como é possível ter êxito no combate à fome sem reforma agrária?Como se explica as famílias pobres terem mais acesso à renda e ao consumo e, ao mesmo tempo, sofrerem a ameaça de dengue e febre amarela?” . Não é necessário fazer reforma agrária para resolver o problema da fome. Aumento na renda é um meio mais eficaz e ,politicamente, menos explosivo de se resolver o problema. As ameaças que ele menciona é a consequência obvia do descaso com medidas preventivas que por sua vez é o resultado da dificuldade em perceber que investimento em saúde também inclui saneamento básico, por ex.. E esta dificuldade não esta restrita apenas ao mundo político, mas inclui, por ex, alguns setores, de esquerda, do mundo acadêmico.

Há nas indagações do Frei Betto um certo tom remanescente das canções de protesto dos anos 60, o famoso “dia que virá “que, no caso dele, corresponderia a “democracia econômica”. Resta saber o que ele entende por democracia econômica: democracia social de mercado ou socialismo ao estilo cubano?

segunda-feira, 17 de março de 2008

Our Uncertain Economy

In recent times, most economists have pretended that the economy is essentially predictable and understandable. Economic decision- and policy-making in the private and public sectors, the thinking goes, can be reduced to a science. Today we are seeing consequences of this conceit in the financial industries and central banking. "Financial engineering" and "rule-based" monetary policy, by considering uncertain knowledge to be certain knowledge, are taking us in a hazardous direction.
Predictability was not always the economic fashion. In the 1920s, Frank Knight at the University of Chicago viewed the capitalist economy as shot through with "unmeasurable" risks, which he called "uncertainty." John Maynard Keynes wrote of the consequences of Knightian uncertainty for rational action.
Friedrich Hayek began a movement to bring key points of uncertainty theory into the macroeconomics of employment -- a modernist movement later resumed when Milton Friedman and I started the "micro foundations of macro" in the 1960s.
In the 1970s, though, a new school of neo-neoclassical economists proposed that the market economy, though noisy, was basically predictable. All the risks in the economy, it was claimed, are driven by purely random shocks -- like coin throws -- subject to known probabilities, and not by innovations whose uncertain effects cannot be predicted.
This model took hold in American economics and soon practitioners sought to apply it. Quantitative finance theory became a tool relied on by most banks and hedge funds. Policy rules based on this model were adopted at the Federal Reserve and other central banks.
The neo-neoclassicals claimed big benefits from these changes. They boasted that their statistical approach to risk made the financial sector much more effective in matching lenders with borrowers, with vast savings in labor and increases in profits. They asserted a decline in "volatility" in the U.S. economy and credited it to the monetary policy rules at the Fed.
Current experience is putting these claims to the test.
Subprime lending and the securitization of debt was an innovation that, it was believed, offered the prospect of increasing homeownership. But "risk management" was out of its depth here: It had no past data from which to estimate needed valuations on the novel assets, it did not allow for possible macroeconomic dynamics, and it took inadequate account of the system effects of unknown numbers of entrants into the new business all at nearly the same.
The claim for rule-based monetary policy is weak on its face. In deciding on the short-term interest rate it controls (the Fed funds rate) the Federal Reserve thinks about the "natural" interest rate -- the rate needed if inflation is neither to rise nor fall. Then the Fed asks whether the expected inflation rate is above or below the target. The Fed also asks whether the unemployment rate is above or below the medium-run "natural" unemployment level -- the level to which sooner or later the actual rate will return.
But the medium-run natural unemployment rate and the natural interest rate are anything but certain. About the natural unemployment rate, Friedman and I used to say at every chance that it is not like the speed of light; it is always shifting, temporarily or permanently, with new developments. We know many of its determinants by now -- but not with any precision and, for sure, not all of them. It is uncertain. More than one view about it is tenable.
The Fed's view seems to be that the medium-term natural unemployment rate is stable. Thus the rise of actual unemployment in the past year is wholly or largely temporary -- a result of passing forces such as the surge in the price of energy, the time home prices are taking to get to down to their new equilibrium path, and the financial market tangle yet to be unwound.
Accordingly, the Fed has cut the Fed funds rate with each increase of unemployment. This "cushions" the fall of employment, as Fed governor Donald Kohn put it, until the contractionary forces pass and unemployment retracts to its former level.
What if inflation -- and thus inflation expectations -- move up? Tighter money can deal with it in the future from a position of strength -- i.e., when employment is high again.
Yet there are good reasons why the medium-term natural unemployment rate may be a lot higher now than before. The permanent decrease in house prices will permanently decrease the jobs in residential investment activity. Share prices, which give some indication of how firms would value additions to their stock of business assets, have fallen markedly in the past year -- more so if we remove the rising value of overseas operations from share prices. That portends fewer jobs in domestic capital goods industries. Absent a great deal of luck, these job losses will not be offset by job gains in export industries.
Keynes, in my reading, had a radical thought here: that the natural rate of unemployment cannot be fully determined by economists. Entrepreneurs' willingness to innovate or just to invest -- and thus create new jobs -- is driven by their "animal spirits" as they decide whether to leap into the void. Central bankers, he implied, can try to guess which way entrepreneurs are going to jump, but some wide swings in employment are inevitable.
The Fed's view seems to be that the natural interest rate has decreased with the business downturn. But this too is uncertain.
We should consider Hayek's argument that the upheavals in a boom may change the natural rate of interest. If the boom left it elevated, failure by the central bank to raise its interest rate correspondingly would cause inflation to begin rising. Something like that may be happening now.
I would add another possibility. Consider the sharp decline over the past year in Americans' stock market wealth. This means, at unchanged interest rates, a decrease in their income from wealth.
For households to be willing in such straitened circumstances to save as much as before -- cutting their consumption by the whole amount of the drop in their income from wealth -- they would have to be compensated with a higher interest rate. At unchanged interest rates, people will not want to leave consumption in the present so pinched. So natural interest rates are driven up.
There may be other mechanisms at work. Uncertainty reigns. But if the above scenario comes to pass, the Fed cannot keep interest rates as low as now for very long. We may see in the near future higher interest rates and higher unemployment than have prevailed in the recent past.

Edmund S. Phelps, winner of the 2006 Nobel Prize in economics, directs the Center on Capitalism and Society at Columbia University.

Fonte: WSJ, 14.03.2008

domingo, 16 de março de 2008

Crise financeira...

Crise de liquidez ou de crédito? Esta era a dúvida no início da crise financeira iniciada com a crise do mercado imobiliário. Algumas economistas-colunistas de jornais a trataram como sendo um problema passageiro incapaz, devido ao volume de recursos, argumentava um deles, professor em princeton, de ter grande impacto na economia. Um problema localizado, que seria solucionado com a oferta de liquidez por parte dos bancos centrais. Estavam, naturalmente, errados. A crise é de crédito, dai confiança ser a palavra chave: o problema de liquidez é apenas como ela se manifesta. Uma solução de mercado não parece ser viável, o melhor exemplo do que pode ocorrer, assim como das medidas necessárias, para resolver o problema, é a crise bancária chilena do início dos anos 80. Estatização, ou nacionalização, para usar a linguagem britânica, não deveria ser descartada. O custo de nada fazer é muito alto, e por isto soluções ideologicamente desagradáveis, para alguns, deveria ser aceita pragmaticamente. As vezes é preciso salvar o capitalismo dos capitalistas.

sábado, 15 de março de 2008

Bishops demand new EU priorities

If the citizens of Europe are to mobilise behind the project of unification, then the European Union must embrace policies that protect human dignity and safeguard the environment, EU bishops said last week. Finding ways to combat climate change, the bishops said, lay "at the crossroads of concern for political leaders and for Christians in Europe".
Comece, the Brussels-based commission representing Catholic bishops from the European Union, has cautiously approved the EU's controversial new Lisbon Treaty, but criticised the EU's failure to engage support and understanding from European citizens.
"Although the question of the institutional mechanisms may be solved soon, the crucial question of the aims and meaning of the European project is still open, and the answer remains unclear for many European citizens," Comece said. "The subject of the plenary assembly enabled the bishops to reflect on two fundamental values which could guide European unification, remobilise the support of citizens and be translated into concrete EU policies: respect of human dignity and safeguarding Creation."
The statement was issued on 7 March at the end of a three-day spring session in Brussels, devoted to "Incarnation of the common good in EU policies of the twenty-first century". It said the commission's 24 members had discussed the "institutional and political revival of Europe" after the Lisbon Treaty signed at the EU's December summit, which is expected to come into force in 2009 if ratified by member states.
The Treaty has caused controversy in Britain because Prime Minister Gordon Brown has ruled out a referendum on the Treaty's ratification.
The Comece statement added that its Dutch president, Bishop Adrianus Van Luyn of Rotterdam, had criticised Brussels for the confusion behind "the day-to-day business of politics", warning that the "vast majority" of Europeans could "no longer recognise or fathom why things are going in one direction or another".
"We are now all aware that, as a rule, the ‘how' questions are the easiest. It's harder to answer questions that start with ‘why'," Bishop Van Luyn said in his address. "Behind politics resides metapolitics, which forms the values upon which all political action is based, above and beyond party lines."
Launched in 1980, Comece represents more than 1,000 Catholic bishops from the EU's 27 member states, with observers from Croatia and Switzerland, and has two vice-presidents, Archbishop Diarmuid Martin of Dublin and Bishop Piotr Jarecki, a Polish auxiliary.
In May 2006, it appealed for ratification of the EU's stalled Constitutional Treaty as the "best hope for reforms" for the bloc, which expanded to a combined population of 488 million with the January 2007 admission of Bulgaria and Romania. Meanwhile, in a report last November, it proposed a strategy for supporting marriages and families, which would include changes in tax, labour and housing laws.
In its Brussels statement, the commission said the bishops had reflected on long-term challenges outlined by a "Horizon 2020-2030" group set up by EU heads of state and government, and had called on EU institutions to "express clearly their understanding of human development envisaged in the European unification process".
It added that they had also debated "demands of human dignity in the context of changing employment patterns" with the European Commission's social affairs director-general, Jérôme Vignon.
A Comece spokeswoman told The Tablet that the statement amounted to an "acceptance with reservations" of the Lisbon Treaty, which has been widely criticised for repeating formulations contained in the discarded EU Constitution.
Comece's Irish secretary-general, Mgr Noel Treanor, is stepping down in June after 15 years as executive head of the commission to become Bishop of Down and Connor in Northern Ireland.

Fonte:Jonathan Luxmoore , The Tablet, 15.03.2008

sexta-feira, 14 de março de 2008

Chiara Lubich concluiu a sua viagem terrena

O movimento dos focolares perde sua grande lider espiritual: Chiara Lubich, uma mulher notável e exemplo de vida cristã. Minhas condolências aos amigos , amigas e familiares de Chiara.

"Em uma atmosfera serena, de oração, e de profunda comoção, Chiara Lubich concluiu a sua viagem terrena nesta noite, 14 março de 2008, às 2 horas, aos 88 anos. Estava na sua casa em Rocca di Papa (Itália), para onde havia retornado do Hospital Gemelli, na madrugada de ontem, depois de ter expresso esse desejo.
Ontem, durante todo o dia, centenas de pessoas – parentes, colaboradores diretos e muitos dos seus filhos espirituais – passaram pelo seu quarto para lhe dirigir a última saudação; depois recolhiam-se na capela adjacente e reuniam-se no jardim, em oração. Uma procissão ininterrupta e espontânea. A alguns Chiara expressou algum sinal, apesar da sua extrema fraqueza.
Do mundo inteiro continuam chegando mensagens de participação por parte de líderes religiosos, políticos, acadêmicos e civis, e do seu “povo”."


quinta-feira, 13 de março de 2008

Dream Song 29

There sat down, once, a thing on Henry's heart
só heavy, if he had a hundred years
& more, & weeping, sleepless, in all them time
Henry could not make good.
Starts again always in Henry's ears
the little cough somewhere, an odour, a chime.

And there is another thing he has in mind
like a grave Sienese face a thousand years
would fail to blur the still profiled reproach of. Ghastly,
with open eyes, he attends, blind.
All the bells say: too late. This is not for tears;

But never did Henry, as he thought he did,
end anyone and hacks her body up
and hide the pieces, where they may be found.
He knows: he went over everyone, & nobody's missing.
Often he reckons, in the dawn, them up.
Nobody is ever missing.

John Berryman

quarta-feira, 12 de março de 2008

A teoria do tapa na cara

O relatório de emprego de sexta-feira -que foi tão fraco a ponto de levar muitos economistas a declararem que já estamos em recessão- foi uma má notícia. Mas na verdade foi muito menos perturbadora do que o que está acontecendo nos mercados financeiros.A coisa mais assustadora que li recentemente foi o discurso dado na semana passada por Tim Geithner, o presidente do Federal Reserve de Nova York. Geithner chegou o mais próximo que pode um diretor do Fed de dizer que estamos em meio a um colapso financeiro.Para entender a gravidade da situação, é preciso saber o que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) fez em agosto e novamente em dezembro.Em agosto, a palavra favorita entre as autoridades financeiras era "contido": os problemas das hipotecas subprime, éramos tranqüilizados, não se espalhariam para outros mercados financeiros nem para a economia como um todo.Logo depois, entretanto, o pânico financeiro pleno teve início. Os investidores retiraram centenas de bilhões de dólares de papéis comerciais apoiados em ativos, um mercado pouco conhecido mas importante que assumiu grande parte do trabalho que os bancos costumavam fazer. Esta corrida aos bancos de fato provocou ondas de choque por todo o sistema financeiro.O Fed respondeu oferecendo dinheiro aos bancos, e os mercados em parte se acalmaram, por um momento. Mas em dezembro o pânico estava de volta.De novo, o Fed respondeu oferecendo dinheiro aos bancos, desta vez por meio de um novo arranjo chamado Term Auction Facility (TAF, leilões de recursos). Novamente os mercados se acalmaram, por algum tempo.Mas novamente, o respiro foi apenas temporário. No mês passado, outro mercado do qual você nunca ouviu falar, o mercado de US$ 300 bilhões de títulos de taxas variáveis (não pergunte), sofreu o equivalente a uma corrida aos bancos. Na semana passada, duas grandes empresas financeiras anunciaram que eram incapazes de levantar o dinheiro exigido por seus credores. Mesmo a Fannie Mae e Freddie Mac, as gigantes de hipotecas financiadas pelo governo e há muito consideradas como locais seguros onde colocar seu dinheiro, agora estão tendo dificuldades para atrair fundos.Uma conseqüência da crise é que apesar do Fed ter reduzido a taxa de juros que controla -a chamada taxa de fundos do Fed- as taxas que importam mais diretamente à economia, como as taxas das hipotecas e títulos corporativos, estão aumentando. E isto certamente agravará a retração econômica.O que está acontecendo? Geithner descreveu como um círculo vicioso nos quais bancos e outros integrantes do mercado que correram risco demais estão todos tentando escapar dos investimentos inseguros ao mesmo tempo, causando "danos colaterais significativos para o funcionamento do mercado".Um relatório divulgado na última sexta-feira pelo JPMorgan Chase foi ainda mais direto. Ele descreveu o que está acontecendo como um "pedido de cobertura sistêmico", no qual todo o sistema financeiro está enfrentando exigências para produzir dinheiro que não tem.O mais recente plano do Fed para romper este círculo vicioso é -como descreveu de forma cruel mas precisa o site financeiro se tornar o penhorista de Wall Street. Os bancos capazes de levantar dinheiro vendendo ativos serão encorajados, em vez disso, a tomar empréstimos junto ao Fed, usando seus ativos como garantia. No pior caso, o Federal Reserve se veria de posse de cerca de US$ 200 bilhões em títulos hipotecários.Alguns observadores temem que o Fed esteja assumindo o risco financeiro dos bancos. Mas o que mais me preocupa é que a medida me parece trivial em comparação ao tamanho do problema: US$ 200 bilhões podem soar como muito dinheiro, mas quando comparados ao tamanho dos mercados que estão sofrendo colapso -há US$ 11 trilhões em hipotecas nos EUA- são uma gota no balde.A única forma da ação do Fed poder funcionar é por meio do efeito tapa na cara: criando uma pausa no frenesi de venda, o Fed poderia dar aos mercados histéricos uma chance de recuperar seu senso de perspectiva. E para ser honesto, isto já funcionou no passado.Mas o tapa na cara só funciona se os problemas do mercado forem basicamente de ordem psicológica. E dado que o Fed já deu dois tapas na cara do mercado, apenas para ver a crise financeira retornar, isto é difícil de acreditar.A terceira vez poderá ser a que vale. Mas eu duvido. Em breve, nós provavelmente teremos que fazer algo real a respeito da redução dos riscos enfrentados pelos investidores.Um plano para restaurar a credibilidade do seguro de títulos municipais seria um começo. (Que loucura é o fato do Estado de Nova York, em vez do governo federal, estar liderando esta idéia?) Eu também suspeito que os Feds terão que garantir explicitamente as dívidas de Fannie e Freddie, que realmente são grandes demais para quebrar.Ninguém deseja fazer com que os contribuintes arquem com a estupidez do setor financeiro; mas nós todos podemos esperar que, no final, o socorro não seja necessário. Mas a esperança não é um plano.

Paul Krugman

Tradução: George El Khouri Andolfato

Fonte: FSP, 11.03.2008

terça-feira, 11 de março de 2008

Fed leads fresh $200bn money market intervention

A group of the world’s largest central banks launched a co-ordinated effort to inject liquidity into money markets in North America and Europe, with the US Federal Reserve offering to double the sums it is prepared to lend, raising the total facilities available by a further $200bn from what it announced only last Friday.

The Fed also said it would increase the currency swap arrangements it already put in place with the European Central Bank and the Swiss National Bank by $10bn and $2bn respecitvely. In addition, the terms of the swap agreements have been extended through to the end of September 2008.Although the funds will be loaned to banks and primary dealers, or brokers that trade directly with the Fed, the US central bank is hoping that the fresh liquidity will be extended to market participants such as hedge funds which are struggling to raise it.

The move by the Fed, which follows a $200bn emergency intervention by the US central bank on Friday to ease strains in the credit markets, sent equities in Europe and the US sharply higher and helped the dollar rebound against the world’s leading currencies. Gold and oil retrenched from their recent highs.

The S&P 500 opened 2.4 per cent higher at 1,303.26, the Nasdaq Composite climbed 2.4 per cent to 2,221.27 and the Dow Jones Industrial Average put on 2.3 per cent to 12,014.42.
In London, the FTSE 100 soared 149.5 points or 2.6 per cent to 5,777.4 in afternoon trade. Frankfurt’s Xetra Dax climbed 2.1 per cent to 6,584.67 and the CAC 40 in Paris gained 2.4 per cent to 4,676.46.

The dollar, which earlier in the session sunk to a fresh record low of $1.5495 against the euro after a survey of German economic confidence came in much stronger than expected, rebounded to stand at $1.5385, down just 0.3 per cent on the session.

In the fixed-income market Treasuries sold off sharply with the yield on the 2-year note jumping 22bp to 1.70 per cent while the 10-year note yield climbed 11bp to 3.57 per cent, flattening the yield curve.

Markets have been in turmoil in recent days as margin calls on hedge funds and other investors have forced a mad scramble for cash. The rush to raise cash has forced sales of securities, which in turn is knocking down the price of other collateral pledged for loans. Fears are that that, in turn, will set off yet more margin calls in a frightening downward spiral that leaves banks in a frantic dash to raise still more cash.

Rising short term interest rates suggest banks are already struggling. In the UK, the key 3-month Libor rate was fixed on Tuesday at 5.79 per cent, the highest level in two months and well above the Bank rate of 5.25 per cent.

The Bank of England has joined the operation, and left open the possibility that it could even increase sums available. It announced it would extend its 3-month open market operation, rolling over an existing collateralised loan that expires next week. It will offer £10bn to the market for three months on March 18 against the same expanded list of collateral it accepted in December and January and said that it will conduct a similar operation in April.
But it declined to specify the April amount, saying the sum to be loaned will be decided “in the light of March’s operation.”

The European Central Bank also said it will join the co-ordinated effort to add US dollar liquidity to the system. It will offer auctions on 25 March, replacing loans made to the market three months earlier and make available up to $15bn. The Swiss National Bank said it will add US dollar liquidity at the end of this month via collateralised, 28-day loans totalling $6bn.

Bank of Canada, which cut its key rate by a half point last week, is also participating in the liquidity injection. It will loan C$2bn to the banking system for one month beginning next week and a further C$2bn for a month beginning in April.

The Swiss National Bank, the Sveriges Riksbank and the Bank of Japan also part of the co-ordinated intervention.

Fonte: FT(Norma Cohen, Economics Correspondent) , 11.03.2008

segunda-feira, 10 de março de 2008

Mal holandes

O Brasil esta sofrendo do mal holandes. Esta é a última tese dos desenvolvimentistas. Há indícios que parecem confirmar a validade desta tese, mas por enquanto apenas indícios. Ainda resta o trabalho difícil de demonstrar a relação de causalidade entre as variáveis do tal mal. Se provada a sua existência, ele esta longe de ser um problema assustador. No país que, injustamente, deu nome ao mal, ele teve vida curta. Tem tudo para ser mais uma tempestade em copo d’agua da já longa lista de bicho papão dos desenvolvimentistas.

domingo, 9 de março de 2008

The Theological Genius of Joseph Ratzinger | An Interview with Fr. D. Vincent Twomey, S.V.D.

A entrevista é muito interessante e reveladora...e pode ser acessada em The Theological Genius of Joseph Ratzinger An Interview with Fr ... abaixo a parte inicial da entrevista : How and when did you first meet Joseph Ratzinger? What was your impression of him?
Rev. Twomey: I first met Joseph Ratzinger early in the new year of 1971, when he interviewed me in Regensburg after I had asked him to be my doctoral supervisor. My first impression was of an unassuming man with piercing eyes, a gentle smile, and not the slightest touch of the arrogance of a Herr Professor. What were some of the essential formative theological influences on Joseph Ratzinger?
Rev. Twomey: The immediate post-war situation of the Church in Germany exercised a huge influence on the fledgling theologian. The Church had emerged triumphant after the persecution under Hitler. There was a feeling of a new beginning, not least in theology, where the neo-scholasticism of the previous half-century was more or less abandoned in the search for a fresh approach. Young theologians such as Henri de Lubac, who had a great influence on Ratzinger, turned to the Fathers of the Church for inspiration and found it. The Munich theologian Gottlieb Soehngen directed Ratzinger's doctoral dissertation on Augustine's ecclesiology and his postdoctoral dissertation on Bonaventure's theology of history. Augustine and Bonaventure are two major thinkers whose profound influence on Ratzinger cannot be underestimated. He came under the spell of Cardinal Newman thanks to his Prefect of Studies, Alfred Laepple, who at the time was writing his thesis on Newman's understanding of conscience and introduced his students to the writings of perhaps the greatest theologian of the 19th century, who was also steeped in the Fathers of the Church. But, ultimately, it was Scripture that formed the basic thrust of all his theology. He once said something to the effect that, in the final analysis, his theology is a form of exegesis. And here his friendship with the great German exegete Heinrich Schlier must be mentioned; Schlier's attention to the precise terms of the original text of Scripture is echoed in Ratzinger's careful exegesis. Josef Pieper, the most important German Catholic philosopher, also exercised a great influence, as did Endre von Ivanka on the philosophy of the early Church. What attracted him to Augustine and how has his early studies of the great Doctor of the Church informed how he addresses contemporary controversies?
Rev. Twomey: Ratzinger found the scholastics too cerebral. Augustine appealed to him as a man of passion, whose whole life was dedicated to the search to know the truth and articulate it. For neo-scholasticism, everything found its place in the "system", but Ratzinger was instinctively aware that truth is more than any system of thought could encompass, that it has to be discovered anew in all its freshness from one generation to the next. Augustine was more than a controversialist, but he was still a remarkable controversialist, who was not frightened by any attack on the faith, be it within the Church or without. Confident in the truth revealed in Christ, he found the courage to take on all those who questioned that truth or denied it. Ratzinger shows a similar courage. He is not afraid to face up to the most difficult challenges to the faith, knowing that in trying to answer them we discover the truth in all its grandeur and compelling nature. More concretely, Ratzinger's studies of the ecclesiology of Augustine shaped his own understanding of Church--including the role of the Eucharist at the core of the Church--and her mission. They also prepared him for his later theology of political life, since Augustine's ecclesiology also involved clarifying the relationship between Church and State, between civil religion and faith. What is unique or perhaps even surprising about Ratzinger's theological methodology? How does it differ from some of the celebrated Catholic theologians of the 1960s such as Küng and Rahner?
Rev. Twomey: What is unique to Ratzinger's theological methodology is, in the first place, its originality and creativity. Despite all the influences I mentioned, Ratzinger retained his distance and so retained his independence as a thinker, even with regard to the great theologians he studied. His methodology is to take as his starting point contemporary developments in society and culture, then he listens to the solutions offered my his fellow theologians before returning to a critical examination of Scripture and Tradition for pointers to a solution. He is not satisfied to analyze a topic, but, having dissected the issue, he then attempts a systematic answer by seeing the topic in the context of theology as a whole. Unlike Küng, who is always in tune with the latest fashion, Ratzinger is not afraid to be unfashionable. Unlike Rahner, who produced a full systematic theology, Ratzinger's theology is fragmentary--filled with brilliant insights into almost every subject of theology and yet not a fixed "system". Using the best findings of academic theology, Ratzinger goes beyond them to create something new and original. He is more than an academic. He is an original thinker, whose scattered writings on a host of subjects are "seminal", awaiting development by others. Finally, unlike either Küng or (especially) Rahner, Ratzinger writes with a clarity and, at times, literary beauty, that never fails to impress.

sábado, 8 de março de 2008

Os novos mercantilistas

O Presidente Lula que, sabiamente, sempre ignorou as tolices dos desenvolvimentistas, parece ter mudado de opinião. É uma pena. Esta turma, que no iniciou do governo previa uma crise no setor externo, volta a usar os mesmos argumentos de sempre: uma variação pobre da velha pratica mercantilista criticada por Hume e Adam Smith. O real esta valorizado, argumenta a tróica desenvolvimentista... para alegria dos exportadores. Como esta turma não é nada original não ficaria nenhum pouco surpreso com o retorno de algo parecido com o velho subsídio às exportações. A conta, naturalmente, seria paga pelos consumidores brasileiros e seria um incentivo negativo e punição aos exportadores que fizeram a lição de casa...

sexta-feira, 7 de março de 2008

Distribuição de renda

2007 parece ter sido um ano muito melhor que o esperado pelos desenvolvimentistas . chama-los de economistas seria um exagero. O PIB cresceu entre 5,2% a 5,3%, o volume de reservas esta em nível que protege a economia dos espirros das maluquices americanas. É verdade que o custo fiscal das reservas é elevado e que o governo deve estar atento, contudo, o panorama é bom o suficiente para colocar, novamente, na agenda um tópico importante, no passado, mas que devido a luta pela estabilização macroeconômica foi esquecido: a distribuição da renda. Este é um problema que o mercado não resolve e requer, portanto, uma participação ativa do Estado. O Brasil é sempre bom lembrar não é mais um país subdesenvolvido e as condições macroeconômicas permitem o enfrentamento das nossas mazelas sociais...

quinta-feira, 6 de março de 2008

The Unknown Citizen

(To JS/07 M 378This Marble MonumentIs Erected by the State)

He was found by the Bureau of Statistics to be
One against whom there was no official complaint,
And all the reports on his conduct agree
That, in the modern sense of an old-fashioned word, he was a
For in everything he did he served the Greater Community.
Except for the War till the day he retired
He worked in a factory and never got fired,
But satisfied his employers, Fudge Motors Inc.
Yet he wasn't a scab or odd in his views,
For his Union reports that he paid his dues,
(Our report on his Union shows it was sound)
And our Social Psychology workers found
That he was popular with his mates and liked a drink.
The Press are convinced that he bought a paper every day
And that his reactions to advertisements were normal in every way.
Policies taken out in his name prove that he was fully insured,
And his Health-card shows he was once in a hospital but left it cured.
Both Producers Research and High-Grade Living declare
He was fully sensible to the advantages of the Instalment Plan
And had everything necessary to the Modern Man,
A phonograph, a radio, a car and a frigidaire.
Our researchers into Public Opinion are content
That he held the proper opinions for the time of year;
When there was peace, he was for peace: when there was war, he went.
He was married and added five children to the population,
Which our Eugenist says was the right number for a parent of his
And our teachers report that he never interfered with their
Was he free? Was he happy? The question is absurd:
Had anything been wrong, we should certainly have heard.

W. H. Auden

quarta-feira, 5 de março de 2008

Tamanho das reservas 2

A visão do famoso membro do grupo "eram os deuses astronautas"( ele não é o único membro do grupo a ter participação importante no governo lula. curiosamente, todos psdbistas e anti-lulistas de carteirinha) sobre o tema é o tópico da última coluna do Celso Ming:

"Esta coluna ficou devendo ontem o ponto de vista que defende a continuação da atual operação de formação de reservas.

Essa posição tem uma importância especial porque é sustentada pelo economista Alexandre Schwartsman, hoje no ABN Amro Bank, que era o diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central entre os anos de 2003 e 2006, período em que começou e se intensificou a formação de reservas no Brasil.

Para ele, não basta que as reservas brasileiras tenham zerado a dívida externa. É preciso que cubram o principal risco externo, que é a atual dependência das receitas provenientes da exportação de commodities.

Schwartsman parte do fato de que há pelo menos 30 anos se observa a correlação estreita (hoje de 93%) entre preços mundiais de commodities e preços médios das exportações brasileiras.

Como o Brasil é uma economia fechada (exportações de apenas 14% a 15% do PIB), só há crescimento econômico de alguma importância quando ocorre expansão do consumo interno. Ora, a expansão do consumo interno exige aumento das importações e essa é outra relevante correlação. E, para garantir aumento das importações sem jogar as contas externas no vermelho, é preciso garantir fortes receitas com exportação.

O problema - aponta ele - acontecerá no momento em que uma crise global derrubar os preços das matérias-primas e as receitas com exportações já não conseguirem dar cobertura para o aumento das despesas com importação: “O maior risco é o de que uma forte queda dos preços das commodities force o País a reduzir subitamente as importações e, portanto, o crescimento.”

O problema não ficaria só nisso. Sem reservas suficientes para dar conta da necessidade extra de importar, o dólar voltaria a subir, essa alta provocaria inflação e o Banco Central seria obrigado a puxar os juros que, por sua vez, ajudariam a abortar o crescimento econômico.

Para Schwartsman, mais do que superar a dívida externa líquida brasileira, as reservas deveriam cobrir o aumento de custo de toda a dívida pública que adviesse da alta dos juros e da desvalorização do real.

E conclui que é preciso acumular mais alguma coisa entre US$ 35 bilhões e US$ 40 bilhões em reservas. Ou seja, o processo de ampliação das reservas só deve parar quando elas atingirem entre US$ 230 bilhões e US$ 235 bilhões.

Schwartsman não chega a questionar a probabilidade de que aconteça a hipótese pessimista que fundamenta seu ponto de vista: a de que um cataclismo econômico derrube inexoravelmente os preços das matérias-primas.

É claro que uma recessão global poderia, em princípio, provocar certa queda de preços. Mas parece improvável que tenha longa duração. O desenvolvimento dos emergentes da Ásia parece assentado em forte importação de commodities porque eles não dispõem nem de energia, nem de alimentos, nem de matérias-primas suficientes para sustentar seu crescimento. Isso sugere que essa forte dependência (deles e não nossa) sustente por muitos anos o aumento da demanda por commodities e, por isso, mantenha elevados seus preços."

terça-feira, 4 de março de 2008

O tamanho das reservas

O tema é importante e controverso e Celso Ming , em seu coluna, apresenta duas visões da questão. É um ponto de partida para uma análise mais minuciosa do tema.

"A coluna de domingo (Espetinho de lagartixa) ajudou a puxar uma boa polêmica em torno de duas perguntas conjugadas: (1) As reservas externas, que terminaram fevereiro nos US$ 192,9 bilhões, já não foram longe demais? (2) Por que continuar amealhando ativos em moeda estrangeira se essa operação, cujo custo é alto e tende a crescer, já não atende a nenhum objetivo importante da economia?

Ontem, dois especialistas sustentaram posições opostas. O economista Marcelo Carvalho, do Morgan Stanley, enviou documento (Reserves - Noah’s Ark for a Rainy Day) em que expõe o ponto de vista de que não há mais razão para expandir reservas. O ex-diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central Alexandre Schwartsman pensa o contrário. Hoje, a coluna expõe o pensamento de Carvalho.

Ele mostra que o nível das reservas já ultrapassa todos os critérios conhecidos pelos quais um país deva juntar reservas.

O primeiro desses critérios é garantir o equivalente a três meses de importação. Para isso, bastariam US$ 30 bilhões. Pelo critério seguinte, o da chamada regra Guidotti-Greenspan, as reservas devem dar cobertura à dívida externa com vencimento em até um ano. Isso exigiria reservas de US$ 60 bilhões.

Outra forma de medir o tamanho adequado das reservas foi estabelecido por um estudo dos economistas Jeanne Olivier e Romain Ranciere, do Fundo Monetário Internacional (The optimal level of international reserves for emerging market economies). Corresponde a 10% do PIB, ou US$ 130 bilhões.

O estudo de Carvalho menciona ainda o texto dos economistas Marco Antonio Cavalcanti e Christian Vonbun, do Ipea (Reservas Internacionais ótimas para o Brasil: uma análise de custo-benefício para o período 1999-2007), que prevê reservas de US$ 40 bilhões a US$ 90 bilhões.

Faltou nessa análise do Morgan apenas a incorporação da posição de Schwartsman, para quem as reservas ainda deveriam crescer até alguma coisa entre US$ 227 bilhões e US$ 232 bilhões. O argumento fica para ser aqui desenvolvido amanhã.

Carvalho adverte que o Banco Central pode estar amontoando reservas também para cumprir novo objetivo: o de apressar o reconhecimento do grau de investimento para a dívida brasileira.

Ele argumenta que o custo fiscal do carregamento das reservas está subindo. Essa operação implica trocar dívida externa a um custo mais baixo por dívida interna por um custo maior. Hoje, a diferença entre os juros internos e externos está aumentando (veja gráfico). Do ano passado para este, o custo aumentou de 0,7% do PIB (US$ 9 bilhões) para 1,2% do PIB (US$ 15 bilhões). E tende a crescer porque o banco central americano está derrubando agressivamente os juros.

Daí, conclui ele, no balanço dos custos e benefícios, já não compensa mais a ampliação em reservas. Se o Banco Central parar suas compras de dólares, haverá dois efeitos colaterais interligados: o real se valorizará ainda mais ante o dólar (queda da cotação do dólar no câmbio interno) porque cairá a demanda por moeda estrangeira; e será mais fácil combater a inflação porque o produto importado ficará mais barato em reais."

Celso Ming

segunda-feira, 3 de março de 2008

Economia Social de Mercado

O modelo alemão de economia social de mercado apresentou bons resultados econômicos e sociais e , estranhamente, é pouco conhecido no Brasil. Este parece ser o destino dos modelos que aceitam a economia de mercado e procuram torna-la mais humana, sem ,contudo, perder a eficiência econômica. Manow apresenta leitura interessante da genese deste modelo.Philip Manow, Modell Deutschland as an Interdenominational Compromise Abstract Paper in pdf format

domingo, 2 de março de 2008

Professor o senhor é um neo-liberal?

Professor o senhor é um neo-liberal? Neo o que.... porque ? O senhor é favorável ao livre comércio. Sim eu sou, mas tambem sou favorável ao “fair trade”. E voce? O que considera mais recomendável e eficiente: continuar com a política de ajuda humanitária ou a ela adicionar a abertura dos mercados dos países ricos? A ajuda é uma ótima moeda de troca, em votações disputadas nas Nações Unidas, alem, é claro de suprir o mercado paralelo comandado por ditadores e familiares em alguns países. Quer ajuda-los? Quem? Os deserdados da terra é claro!!! Então é melhor abrir os mercados para seus produtos.... Ah! mas isto é neo-liberalismo...

sábado, 1 de março de 2008


Finalmente uma revista católica que parece fugir da mesmice e apresenta ao público brasileiro alguns intelectuais católicos bem conhecidos no mundo anglo-americano. Trata-se da Communio, importante revista católica , com edições em varias línguas e países que, finalmente, lança sua edição brasileira. O tema é “a tríplice relação existente entre Fé, Razão e Universidade, feita por Bento XVI, no polêmico Discurso de Regensburg, na Alemanha”. Entre os destaques o texto de Regensburg com as devidas e importantes notas de rodapé. Leitura obrigatória para aqueles que insistem em divulgar uma visão superficial e equivocada do pensamento deste que é um dos mais importantes intelectuais da atualidade.